adUnit

Emerson: três títulos diferentes após o "Bonde do Mengão sem freio"

Início de 2011. Ele vinha como o grande herói do título brasileiro do Fluminense, no ano anterior, ao marcar o gol do título sobre o Guarani, que tirou os tricolores de uma espera que perdurava desde 1984. Um funk no ônibus em alusão ao arquirrival Flamengo mudou a trajetória da carreira de Emerson. O "bonde do Mengão sem freio", quem diria, foi um divisor de águas determinante na carreira do iluminado jogador, o ...

16 de dezembro de 2012 | 23h04 | atualizado às 23h04

Início de 2011. Ele vinha como o grande herói do título brasileiro do Fluminense, no ano anterior, ao marcar o gol do título sobre o Guarani, que tirou os tricolores de uma espera que perdurava desde 1984. Um funk no ônibus em alusão ao arquirrival Flamengo mudou a trajetória da carreira de Emerson. O "bonde do Mengão sem freio", quem diria, foi um divisor de águas determinante na carreira do iluminado jogador, o único no Brasil a ser tricampeão nacional por três times distintos, sucessivamente.

» Com lágrimas e festa, Gaviões vão à loucura com título corintiano
» Guerrero decide de novo, Corinthians derruba Chelsea e é bi mundial

Após o episódio, amplamente divulgado pela imprensa e que estremeceu, até hoje, a sua relação com o atacante Fred, Emerson foi dispensado. O ato pegou mal, e ele foi para o Corinthians ser campeão brasileiro, da Libertadores (marcando os dois gols da final diante do temido Boca Juniors), e, agora, Mundial.

"Por ser mundano, a gente esquece de Deus. Minha história é longa e é muito sofrida. Fora a competência, tem Deus", diz o atleta, que faz questão de lembrar das raízes evangélicas de sua família, mas também de não mudar uma linha do que disse na época: além dele, outros atletas também cantaram o tal funk.

"Já se passaram dois anos. A minha versão é a mesma de sempre, porque ela é verdadeira. Não desrespeitei", diz, com a caixinha de som em punho, com a qual sempre deixa as partidas, com repertório que, além do funk, passa até por Roberto Carlos.

˜Assim como está a caixinha aqui, com um monte de música, eu toco no ônibus do Corinthians, inclusive a mesma música, e eu não fui mandado embora. Mais uma vez: não foi de maldade, e já passou", disse, ciente de que o "Bonde do Mengão Sem Freio", definitivamente, mudou sua vida. Para melhor.

por: Terra
adUnit PUBLICIDADE
adUnit
  © 2019 Terra Networks S.A Versão clássica