adUnit

Atriz de 'Salve Jorge' diz que Rosângela "sonha ser Wanda"

  Com o olhar doce e o rosto delicado, Paloma Bernardi se encaixa perfeitamente no estereótipo de garota boazinha. Personagens pacatas e ingênuas faziam parte do repertório da atriz desde 1996, quando ela estreou na tevê com a novela Colégio Brasil , do SBT. E foi na pele de uma mocinha, a romântica Mia de Viver a Vida , inclusive, que Paloma começou a ter mais visibilidade. "A primeira porta que se abriu para mim foi a de mocinha. ...

6 de janeiro de 2013 | 14h26 | atualizado às 15h00

Com o olhar doce e o rosto delicado, Paloma Bernardi se encaixa perfeitamente no estereótipo de garota boazinha. Personagens pacatas e ingênuas faziam parte do repertório da atriz desde 1996, quando ela estreou na tevê com a novela Colégio Brasil, do SBT. E foi na pele de uma mocinha, a romântica Mia de Viver a Vida, inclusive, que Paloma começou a ter mais visibilidade. "A primeira porta que se abriu para mim foi a de mocinha. Então, aproveitei para ir conquistando meu espaço com o tempo", explica. E era essa linha que seus papéis seguiam antes de interpretar a ambiciosa Rosângela, em Salve Jorge.

Na novela de Glória Perez, Paloma dá vida a uma garota que sonhava em ser modelo. Deslumbrada com as promessas de dinheiro fácil e vida promissora no exterior, acaba caindo nas mãos do tráfico humano. Diferentemente das outras mulheres escravizadas do bordel, Rosângela não se revolta contra os traficantes. Na verdade, resolve se unir a eles. Todo esse processo de vítima à vilã foi trabalhado aos poucos em Salve Jorge. A transformação do caráter da personagem pôde ser observada em pequenas atitudes de colaboração com os bandidos, que foram se tornando cada vez mais frequentes. "A Rosângela também sofre com a situação, mas ela tenta sobreviver. Se antes seu sonho era ser modelo, agora é ser uma Wanda, que é vilã, mas não sofre", defende.

A preparação para a novela começou pela mudança de visual. Para dar a seu perfil de boa moça um ar mais intenso, Paloma teve de ficar ruiva. A atriz também mergulhou no universo do tráfico humano. Assistiu a palestras sobre o tema e conversou com familiares e pessoas que já passaram por esse drama na vida real. Além do workshop proporcionado pela produção da trama, ela também procurou livros e filmes baseados na compra e venda de pessoas. "Eu me emocionei muito durante esse processo, porque o tráfico de pessoas é uma realidade sub-humana", acredita.

Como é comum no meio artístico, Paloma teve seu primeiro contato com a tevê através de um filme publicitário. Aos quatro anos de idade, estrelou um comercial de ovos de Páscoa. E seguiu trabalhando como modelo até ser chamada para a novela Colégio Brasil, quando tinha 11 anos. O fim do folhetim coincidiu com a entrada de Paloma na adolescência. Por causa das transformações típicas da fase de crescimento, ela passou por um momento difícil em sua carreira e só conseguiu outro papel na tevê mais de dez anos depois de sua estreia no SBT. "Fiquei com espinhas e usava aparelho nos dentes. Por isso, passar nos testes ficou mais complicado. Então, resolvi estudar interpretação", relembra.

Foi quando a atriz buscou se profissionalizar em Artes Cênicas. Fez cursos de interpretação com artistas renomados como Ligia Cortez, Beto Silveira e Fátima Toledo. Também estudou no TAPA e concluiu o Curso Técnico Ator do Senac. Já com uma base formada, conseguiu passar pela rigorosa banca do Sindicato dos Artistas de São Paulo. Junto com a especialização na área, a fase difícil da adolescência também foi superada e ela voltou a fazer testes. Seu retorno à tevê foi na pele de Luna, do folhetim Caminhos do Coração, exibido pela Record em 2007. E, desde então, Paloma vem emendando uma novela na outra. "Eu ainda tenho um caminho longo a percorrer na minha carreira, mas estou feliz com a minha trajetória. Estou onde sempre almejei", comemora a atriz.

Salve Jorge – Globo – De segunda a sábado, às 21 horas.

Caminho paralelo

Por causa da constante instabilidade financeira presente na vida de quem faz Artes Cênicas, Paloma Bernardi decidiu traçar, paralelamente à sua carreira de atriz, uma outra profissão. Para não se afastar muito da área artística, se formou em Rádio e Tevê, na Universidade Metodista de São Paulo. E hoje, usa o que aprendeu na faculdade até quando está interpretando. "Estudei a parte técnica, como a luz, o eixo da câmara e a edição. Quando estou gravando, já tenho uma noção maior da cena", argumenta.

Depois de se formar em Radialismo, Paloma resolveu investir em um espaço cultural e abriu, junto com sua família, o Amarte, em São Paulo. O lugar oferece aulas de teatro, música, dança e artes plásticas. No começo, a atriz chegou a trabalhar como recepcionista da empresa. Mas depois de sua carreira de atriz decolar, ficou responsável mais pela produção dos espetáculos apresentados pelos alunos dos cursos. "Com a faculdade de Rádio e Tevê, eu posso produzir peças, ter outras opções de carreira, como faço no espaço cultural", conclui.

Instantâneas

# Rosângela, de Salve Jorge, é a primeira vilã da carreira de Paloma Bernardi.

# O convite para a novela de Glória Perez também foi o primeiro da carreira da atriz. Todos os seus trabalhos anteriores foram frutos de testes.

# Desde que assinou contrato com a Globo, Paloma só atuou em folhetins do horário nobre. Além da novela da Glória Perez, participou de Viver a Vida, de Manoel Carlos, e Insensato Coração, escrita por Gilberto Braga.

# Paloma tem mais de quinze peças em seu currículo, mas O Grande Amor da Minha Vida foi a primeira produção com a qual a atriz fez turnê pelo Brasil.

por: Terra
adUnit PUBLICIDADE
adUnit
  © 2018 Terra Networks S.A Versão clássica