adUnit

Aprenda a adaptar a residência para pessoas idosas

2 de novembro de 2012 | 07h00 | atualizado às 07h00

Em todas as fases da vida, nossa casa tende a refletir aquilo de que gostamos e o que somos. Com o passar do tempo, é preciso adaptar a casa às necessidades dos moradores. No caso dos idosos não é diferente. Para pessoas com idade avançada, uma das dificuldades mais comuns é a de locomoção pelo imóvel. Afinal, os cabelos brancos costumam vir acompanhados de perda de força física, reflexos mais lentos e menor acuidade visual.

"Dependendo da idade e da sua condição física e motora, o deslocamento pode ser dificultado ou facilitado com objetos, degraus e batentes etc.", afirma a professora de Educação Física Sara Azevedo, que trabalha em Belo Horizonte com projetos ligados a qualidade de vida.

Na adaptação, um dos itens importantes é a iluminação. É preciso deixar o caminho bem clareado, principalmente do quarto para o banheiro e a cozinha. "Às vezes, a pessoa pode ir ao banheiro até quatro vezes na mesma noite", diz o arquiteto Robson Gonzáles, da Arpa Arquitetura & Acessibilidade, em São Paulo. "Por isso, é preciso que ela possa acender a luz antes de se levantar, em abajures ou interruptores ao lado da cama". A arquiteta Carolina Danielian, também de São Paulo, vai além: "o melhor é instalar sensores de movimento no caminho entre o quarto e o banheiro e entre o quarto e a cozinha".

Gonzáles sugere que se evite luz de teto, já que é difícil para o idoso trocar a lâmpada. Prefira abajures e arandelas.

O revestimento também requer atenção especial. Nos banheiros e na cozinha, é preciso ter pisos antiderrapantes (não apenas na área do boxe, mas em todo o cômodo). Os tapetes devem ser retirados, para evitar tropeços. "Mas se o idoso não permitir, como aconteceu com a minha avó, o ideal é embutir no piso. Eu tirei o piso do local e grudei o tapete, para evitar desnível", conta Gonzáles.
Barras de apoio e corrimãos são outra preocupação. As barras no banheiro (tanto ao lado do vaso sanitário quanto no boxe) e ao lado da cama ajudam o idoso a se levantar mais facilmente. E o corrimão na escada é essencial em todas as casas. Outro utensílio no banheiro que pode ajudar são as cadeiras para banho, que podem ser fixadas à parede ou de plástico.

Ainda para o banheiro, Gonzáles sugere que o boxe não seja de vidro. O melhor é usar cortina, que não machuca a pessoa caso ela caia no banho e que facilita o acesso à área do banheiro para cadeirantes. "Se quiser usar boxe de qualquer maneira, é imprescindível que a folha de correr seja a de fora, para que a pessoa não corra o risco de prender a porta no caso de uma queda ou acidente", explica o arquiteto.

Objetos acessíveis

Outra estratégia que facilita a vida do idoso é manter todos os objetos acessíveis, para que ele não precise abaixar ou se esticar para pegá-los - e menos ainda subir em cadeiras ou escadas. Por isso, os eletrodomésticos da cozinha, como micro-ondas, devem estar em uma altura de 80 cm a 90 cm, ou no máximo 1,20m, sugere Gonzáles. Já as tomadas devem estar a uma altura de 40 cm a 50 cm.

A mobília não pode ficar no meio do caminho, e devem-se evitar objetos pontiagudos, como mesas de centro ou vasos.

Um quarto que facilite a mobilidade

O quarto deve ser bem iluminado e com poucos móveis. O caminho entre a cama e a porta não pode ter nada que atrapalhe o idoso. Além disso, é importante que a cama tenha uma altura entre 46 e 50 cm. "Para evitar quedas, é necessário adotar móveis sem quina e de preferência fixos ao chão", explica Carolina Danielian.

Cozinha que não engana

Outra dificuldade do idoso é diferenciar tons (por conta da dificuldade de visão). Por isso, é preferível que a pedra da pia não seja reta nem escura - essas são tonalidades parecidas com a dos talheres, por exemplo. Bege ou branco é melhor, pois evita que a pessoa se machuque. Também é importante que haja espaço na cozinha para que o idoso possa se locomover sem dificuldades.

Área externa: sinal de alerta

As áreas externas podem ser muito perigosas. Por isso, é preciso ter pisos antiderrapantes, corrimãos e barras. "É preciso evitar desníveis pequenos - de 1 ou 2 cm -, porque o idoso pode não ver e tropeçar. É preferível um degrau ou um plano inclinado, para que fique claro que é preciso prestar atenção", diz Gonzáles. "E a iluminação tem que ser um balizador do caminho, para que a pessoa saiba para onde ir".

por: PrimaPagina
adUnit PUBLICIDADE
adUnit
  © 2018 Terra Networks S.A Versão clássica